Transtorno do pânico – Os 11 sintomas que identificam a Desordem do pânico

transtorno do pânico-2

O transtorno do pânico é uma desordem que ocorre quando você tem ataques de pânico inesperados recorrentes. Define-se ataques de pânico como surtos abruptos de medo ou desconforto intenso que atingem o pico em minutos. Veja mais!

Pessoas com o transtorno de pânico vivem com medo de ter um ataque a qualquer momento do cotidiano.

Você pode estar tendo um ataque de pânico ao sentir um terror repentino e avassalador, sem uma causa óbvia.

Além disso, você pode sentir sintomas físicos, como coração acelerado, dificuldade para respirar e suor.

A maioria das pessoas experimenta um ataque de pânico uma ou duas vezes na vida.

Aliás, a American Psychological Association relata que 1 em cada 75 pessoas pode ter um transtorno ou a própria síndrome do pânico.

O transtorno do pânico é caracterizado pelo medo persistente de ter outro ataque de pânico após você ter experimentado pelo menos um mês (ou mais) de preocupação persistente ou preocupação com a recorrência de ataques de medo adicionais (ou suas consequências).

Mesmo que os sintomas desse transtorno possam ser bastante avassaladores e assustadores, eles podem ser controlados e melhorados com tratamento.

Buscar tratamento é a parte mais importante para reduzir os sintomas e melhorar sua qualidade de vida.

transtorno do pânico
transtorno do pânico

Quais são os sintomas do transtorno do pânico?

Os sintomas do transtorno do pânico geralmente começam a aparecer em adolescentes e adultos jovens com menos de 25 anos.

Se você teve quatro ou mais ataques de pânico, ou vive com medo de ter outro ataque de medo súbito depois de experimentá-lo, você pode ter um transtorno do pânico.

Normalmente, os ataques de pânico produzem medo intenso que começa de repente, muitas vezes sem aviso prévio.

Um ataque geralmente dura de 10 a 20 minutos, mas em casos extremos, os sintomas podem durar mais de uma hora.

A experiência é diferente para cada pessoa e os sintomas costumam variar.

Os sintomas comuns associados a um ataque de pânico incluem:

  1. Batimento cardíaco acelerado ou palpitações
  2. Falta de ar
  3. Sentir como se estivesse sufocando
  4. Tontura (vertigem)
  5. Náusea
  6. Suando ou com calafrios
  7. Tremedeira
  8. Mudanças no estado mental, incluindo uma sensação de desrealização (sensação de irrealidade) ou despersonalização (estar separado de si mesmo)
  9. Dormência ou formigamento nas mãos ou pés
  10. Dor no peito ou aperto
  11. Medo de morrer

Os sintomas de um ataque de pânico geralmente ocorrem sem um motivo claro.

Normalmente, os sintomas não são proporcionais ao nível de perigo existente no ambiente.

Como esses ataques não podem ser previstos, eles podem afetar significativamente o seu funcionamento.

O medo de um ataque de pânico ou relembrar um ataque de pânico pode resultar em outro ataque.

Caso Clínico

Paciente mulher 31anos em apresentando há 5 meses falta de ar, coração acelerado, sensação de que vai desmaiar, suores frios nas mãos e nos pés.

Não consegue trabalhar direito, diminuiu a sua coconcentração e tem medo de sair de casa sòzinha

Foi ao serviço de pronto-atendimento várias vezes, fez vários exames: sangue, raio x, eletrocardiograma, com os resultados todos negativos e sempre foi medicada na emergência.

  • Não tem antecedentes pessoais ou familiares parecidos,
  • Não tem nenhuma doença clínica ou ginecológica.
  • Não fuma e não ingere alcoólicos ou outras drogas.

Para desencargo de consciência, o último médico socorrista encaminhou para neurologia.

Lá fez eletroencefalograma, mapeamento e Ressonância Magnética cerebral.

Os resultados deram também negativos.

O neuro encaminhou para a Psiquiatria e aí foi um grande problema; pois dizia que não estava louca.

Começou a tomar chás de ervas por sua conta e medicamentos fitoterápicos, homeopáticos e florais do Dr Google. (receita das comadres)

A peregrinação em médicos, laboratório e exames continuaram até que uma paciente que já se trata comigo há muitos anos e está “boa” como se diz popularmente, e tendo uma vida normal, me indicou para ela.

Ela agendou a consulta rápido, pois queria para ontem, mas aguardou seu horário e compareceu.

Na hora do questionário de perguntas da entrevista investigatória inicial ela interrompia para saber quando iria parar de tomar o remédio que eu iria receitar.

Para não deixá-la mais ansiosa eu respondia que seria assim que ela ficasse boa, aí ela se tranquilizou e foi aceitando melhor.

Iniciei explicando sobre a doença e suas consequências, e ela afirmou que veio porque a sua amiga havia convencido que eu era de confiança.

Realmente, tinha experiéncia, e nessa época eu havia empatado com ela.

Eu tinha, á época, 31 anos de trabalho cuidando de pessoas com o mesmo problema que ela.

Claro que, tornei-me o profissional de confiança e que pode ser indicado para tais cuidados.

Continua após a listagem de posts

O que causa o transtorno do pânico?

As causas do transtorno do pânico não são claramente compreendidas.

A pesquisa mostrou que o transtorno do pânico pode estar geneticamente ligado.

É um transtorno que também está associado a transições significativas que ocorrem na vida.

Sair da faculdade, se casar ou ter seu primeiro filho são transições importantes na vida que podem criar estresse e levar ao desenvolvimento de transtornos diversos.

Quem corre risco de desenvolver transtorno do pânico?

Embora as causas do transtorno do pânico não sejam claramente compreendidas, as informações sobre a doença indicam que certos grupos têm maior probabilidade de desenvolver o transtorno.

Em particular, as mulheres têm duas vezes mais probabilidade do que os homens de desenvolver a doença, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental .

Como o transtorno do pânico é diagnosticado?

Se tiver sintomas de ataque de pânico, você pode procurar atendimento médico de emergência.

A maioria das pessoas que experimenta um ataque de medo extremo pela primeira vez acredita que está tendo um ataque cardíaco.

Enquanto estiver no departamento de emergência, o provedor de emergência fará vários testes para ver se os seus sintomas são causados ​​por um ataque cardíaco.

Em seguida, eles podem realizar exames de sangue para descartar outras condições que podem causar sintomas semelhantes ou um eletrocardiograma (ECG) para verificar a função cardíaca.

Nesse caso, se os seus sintomas não forem emergenciais, você será encaminhado de volta ao seu profissional de saúde de confiança.

Como o transtorno do pânico é tratado?

O tratamento para o transtorno do pânico se concentra na redução ou eliminação dos sintomas.

Isso é feito por meio de terapia com profissional qualificado e, em alguns casos, medicamentos.

A terapia geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental (TCC).

Esta terapia ensina você a mudar seus pensamentos e ações para que possa compreender seus ataques e controlar seu medo.

Os medicamentos usados ​​para tratar o transtorno do pânico podem incluir inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRIs), uma classe de antidepressivos.

SSRIs prescritos para transtorno de pânico podem incluir:

  • fluoxetina
  • paroxetina
  • sertralina

Outros medicamentos às vezes usados ​​para tratar o transtorno do pânico incluem:

  • Inibidores da recaptação da serotonina-norepinefrina (SNRIs), outra classe de antidepressivos
  • Drogas anticonvulsivantes
  • Benzodiazepínicos (comumente usados ​​como tranquilizantes), incluindo diazepam ou clonazepam
  • Inibidores da monoamina oxidase (IMAO), outro tipo de antidepressivo que é usado com pouca frequência devido a efeitos colaterais raros, mas graves

Além desses tratamentos, há uma série de etapas que você pode seguir em casa para reduzir os sintomas. Exemplos incluem:

  • Manter uma programação regular
  • Exercitar-se regularmente
  • Dormir tempo suficiente para o bom descanso
  • Evitar o uso de estimulantes como a cafeína
  • Estudar opções de terapia online

Qual é a perspectiva de longo prazo?

O transtorno de pânico costuma ser uma condição crônica (de longo prazo) que pode ser difícil de tratar.

Algumas pessoas com esse transtorno não respondem bem ao tratamento.

Outros podem ter períodos em que não apresentam sintomas e períodos em que os sintomas são bastante intensos.

A maioria das pessoas com transtorno do pânico sentirá algum alívio dos sintomas por meio do tratamento.

Como o transtorno do pânico pode ser evitado?

Pode não ser possível prevenir o transtorno do pânico.

No entanto, você pode trabalhar para reduzir seus sintomas evitando álcool e estimulantes como a cafeína, bem como drogas ilícitas.

Também é útil observar se você está experimentando sintomas de ansiedade após um acontecimento angustiante na vida.

Se você estiver incomodado com algo que experimentou ou a que foi exposto, discuta a situação com o seu médico de família.

Resumo

O profissional de saúde da sua confiança pode realizar um exame de saúde mental e perguntar sobre seus sintomas.

Todos os outros distúrbios médicos serão descartados antes que seu médico faça um diagnóstico de transtorno do pânico.

De qualquer modo, comece pelo básico.

Enquanto isso, obtenha dicas para ajudar a controlar a ansiedade e a depressão

Inscreva-se em nosso boletim informativo e receba no seu e-mail dicas de saúde, seja sobre ansiedade, pânico, depressão e outros temas que você queira acompanhar.

Enviaremos conselhos de nossos especialistas para ajudá-lo a entender seus gatilhos e gerenciar sua saúde mental.

Caso precise de orientações e conselhos sobre o seu problema para transtorno de pânico, na Clínica Dr Jefferson temos profissionais preparados para aconselhamentos e acompanhamentos.

Fale conosco:
Informações e Agendamentos por mensagens no WhatsApp (11) 99715-0535.
www.wa.me/5511997150535

Siga-nos nas redes sociais:
https://facebook.com/psiquiatriadrjefferson
https://instagram.com/psiquiatriadrjefferson
https://twitter.com/psiquiatriaJ

Você também pode encontrar conteúdos didáticos em psiquiatriadrjefferson.com

Informações de contato
Formulário de contato ou agendamento de consulta
Digite seu e-mail, para que possamos continuar com você.
Digite sua data de aniversário, para que possamos lembrar.
Seu número de telefone
Selecione o estado em que você reside
Selecione uma opção
Selecione uma opção
Selecione o modo como deseja ser atendido(a)
Descreva o assunto que deseja tratar ou mensagem que deseja nos enviar

Deixe um comentário